sábado, 24 de janeiro de 2009

Peixe que não tem gosto de peixe

Na minha última visita a Goiás comi um peixe memorável. Tanto que decorei a receita. O molho é tão bom que o cação fica super de coadjuvante. Fiz o teste aqui em casa e compartilho aqui com vocês.


Ingredientes
Filé de peixe (eu fiz com cação, mas escolha o de sua preferência)
Umas seis batatas médias
Requeijão cremoso
Queijos
Tomates maduros
Leite
Alho
Sal
Pimenta
Tomilho limão

Preparo

Corte as batatas ao meio e cozinhe com casca e tudo até que fique bem moles.

Em quanto isso, prepare o molho. Para isso, pique os tomates em pedaços bem pequenos. Refogue-os com alho amaçado em azeite. Acrescente sal e pimenta a gosto. Deixe fever até que engrosse. Corte os filés de peixe em pedaços de mais ou menos 10cm. Coloque-os na panela do molho. Mas só para dar um susto e pegar o tempero (uns 3min). Retire os pedaços de peixe da panela e espalhe-os em uma travessa de vidro. Deixe o molho reduzir, depois coloque sobre o peixe na travessa.

Pegue as batatas cozidas e descasque. Pique-as em pedaços pequenos e coloque num liquidificador, acrescente o leite até cobrir as batatas. Bata. A idéia é que vire um creme, nem muito grosso, nem muito ralo. Ou seja, um creme. Verifique o sal.

Com uma colher de café coloque gotas de requeijão sobre o peixe na travessa. Cubra com o creme de batatas. Acrescente o queijo, em cubos, ralado, fatiado, como quiser. Leve ao forno para gratinar.

Faça arroz branco para acompanhar.

PS.: para os que não comem peixe podem substituir por filé mignon ou filé de frango. Para os malas que nem carne comem, podem fazer com abobrinha. Vai ficar 100 vezes mais sem graça, mas ok. O molho continuará incrivel.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Se liga: farinha de pão velho

Todo mundo sabe que pão francês sobra. Não tem jeito. Se você mora sozinho então, fode-o. Principalmente quando ele não serve mais nem pra torradas. Aquele estágio em que ele tá tão duro que já virou uma arma.

Então, é nessa hora que essa dica entra. Pegue um ralador e rale, mas rale como se houvesse amanhã. Na seqüencia você terá a mais crocante das farinhas de rosca, que poderá ser utilizada para empanar de um tudo! Carnes, peixes, aves e bolinhos como o da receita anterior.

Ps1.: peneirepara obter uma farinha mais refinada, há!
Ps2.: caso tenha, troque o ralador por um processador e perca a chance de malhar enquanto cozinha.

Bolinho de arroz crocante (com queijo)

Pois é, essa é a primeira dos milhões de receitas que pretendo dividir com vocês. E acho digno começar por ela, porque além de simples, é uma solução para aquela sobra de arroz que você já não agüenta mais ver na geladeira. E, pior, sabe que não vai comer!

E já que o objetivo é aproveitar as sobras, você pode incrementar o bolinho com aqueles frios que estão vacilando na gaveta há alguns dias.

Ingredientes:
Ovos - dois ou três (depende da quantidade de arroz)
Tempero (alho, sal, pimenta) - tudo a gosto do freguês
Farinha de trigo (suficiente pra dar liga)
Queijo parmesão (muito, sempre)
Resto de frios (vale tudo, desde que combine)
Farinha de rosca
Cheiro verde
Óleo (pra fritar)

Preparo:
Misture o arroz, os ovos e o parmesão (a vonts, mas com bom senso). Tempere. Cuidado, geralmente o arroz já tem sal.

Pique os frios. Eu coloquei sobras de mussarela e mortadela defumada. Beeeem picadinhos. Coloque o cheiro verde bem picado tb. Misture bem. A essa altura já terá uma certa aparência de massa. Vá acrescentando farinha aos poucos e verificando o ponto de aderência (a massa vai ficar mais grudenta). Não coloque muita farinha! Afinal, a idéia não é comer um bolo de trigo salgado.

Enrole. Eu uso duas colheres pra fazer isso. Mas fica difícil de demonstrar em palavras (prometo que faço um vídeo ensinando essa tática num futuro breve).

Quebre um ovo e misture. Passe os bolinhos nesse ovo e na seqüencia, na farinha de rosca. Depois, aqueça o óleo até dizer chega. Frite os bolinhos e morra de comer!


Que cocrância jesuis!

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Sem Medida

Dei esse nome pro cafofo porque eu nunca, ramaz, neváaa, cozinho com receita. Sempre faço tudo no olho e vou provando. Logo, não espere que eu divulgue quantidades de ingredientes aqui. Mas prometo explicar direitinho os preparos.

Ano novo, blog novo

Pois é, como eu não tenho nada pra fazer nessa vida, decidi abrir um novo blog para esse novo ano. E como a minha promessa para 2009 e tentar ser uma pessoa focada (tá, sabemos que isso é impossível, mas quero tentar ter um POUCO mais de foco, pelo menos) esse aqui terá um foco.

Aí eu pergunto: o que eu mais gosto de fazer na vida além de escrever e de me relacionar intimamente com moços? Comer, é claro! E por consequência disso, adouro cozinhar. Não, eu não sou nenhuma chef, nem faço coisas sofisticadas. Eu só apenas gosto de encarar o fogão e ser feliz na seqüencia me entupindo de comer exatamente aquilo que eu queria. Isso é só auto-suficiência no exercício da gula.

Então é isso, em 2009, vou compartilhar com vocês as desventuras na minha cozinha e por outras cozinhas do mundo. É, eu já fazia isso antes no Puf, mas agora será aqui.
Espero que vocês gostem!